Canivetes...

Por Fritz Berg

LARANJAS, LÁPIS, CIGARROS DE PALHA... E OUTRAS TANTAS COISAS.

Era a época do canivete.

Apontar um lápis foi substituído pela caneta, assim como descascar uma laranja para se refrescar no calor tropical foi substituído pelos refrigerantes. Antes, era comum uma pessoa ficar na frente de uma banca de frutas e comer ali mesmo. Picar um fumo de corda e enrolar o produto numa folha seca de milho somente dava certo com um canivete.

Antes do advento do carro, sempre se tinha um canivete para ajustar os arreios dos animais, o estribo da sela ou a fivela do ostensivo peitoral de um alazão atrelado a algum ostensivo TILBURY.

Usar uma lâmina cortante é do ser humano. A lâmina serve para dividir, quer dizer partilhar ou ferir por bem ou por mal. Desde nossa origem ao sair do paraíso sobrevivemos graças a lâminas que no principio eram feitas de lascas de ossos e pedras lascadas, para depois serem de bronze. (mistura de cobre 90% zinco8% chumbo, níquel, ferro e outros 2%) Ambas as lâminas, de pedra e de bronze, conviveram juntas até surgir o ferro e o aço por volta de 3000 anos antes de Cristo no Egito, provavelmente trazido pelos HITITAS. Demorou até o ano 1300 a 1400 antes de Cristo para a idade do ferro chegar aos Gregos. Dos Gregos até chegar aos Celtas demorou mais 400 anos onde lâminas de aço foram encontrados na região do lago de Nuremberg. O canivete mais antigo de que se tem notícia foi fabricado pelos Romanos.

Podemos dizer que para nós o uso do canivete pegou mesmo na Alemanha, França, Inglaterra e Escócia.

Durante a ocupação dos "Mouros", na península Ibérica, houve um aperfeiçoamento na arte de embelezar o produto com "arabescos" especialmente na região de Toledo, a antiga capital dos Visigodos. Lá o canivete ficou mais leve e elegante.

Marcas antigas, como os canivetes LAGUIOLE da França que remontam ao ano 1829 têm a origem inspirada nos modelos usados na Espanha.

Onde há água correndo, carvão e minério de ferro há cutelaria. A origem do aço no Brasil se deve a tribos africanas que como escravos capturados na África central, notadamentenda bacia do alto Congo, conheciam a corrida do aço e levaram seu conhecimento para o Brasil. Em Minas Gerais, onde há carvão e uma terra rica em ferro com águas correndo em abundância, talvez tenha sido feito o primeiro canivete genuinamente nacional. Durante a época colonial era proibida a fabricação de aço no Brasil colônia, e assim os quilombos forneciam o necessário para os garimpeiros driblando o monopólio Luso-Britânico. Havia também aço nas missões dos Jesuítas, provavelmente com a tecnologia dos quilombolas.

Assim cidades como Sheffild na Inglaterra, Solingen na Alemanha e Toledo na Espanha, onde havia minério de ferro, carvão e agua corrente eram apropriadas para este tipo de manufatura. Destes lugares saíram durante séculos as espadas que forjaram a história da Europa medieval até o surgimento da pólvora que mudou aos poucos as táticas de Guerra. Nestas localidades se faziam também talheres, canivetes, tesouras, ferramentas, cadeados e fechaduras, especialmente em épocas (terríveis) de paz ,onde a mão de obra era aproveitada para estes outros produtos, permitindo a sobrevivência das forjarias em épocas de paz.

Na Europa as regiões cuteleiras se definem mais pela geografia histórica. No novo mundo não se define a região e sim os diversos fabricantes que se espalham pelo continente.


Canivete Thor
C80-01C

Canivete Thor
C80-02C

Canivete Thor
C80-03C

Canivete Thor
C80-01T

Canivete Thor
C80-02T